sexta-feira, 29 de abril de 2016

Portugueses contaminados com glifosato

monsanto glifosato cancerigeno


















Hoje, 29 de Abril, o telejornal da RTP1 noticiou que foi dado um alerta pela O.M.S (Organização Mundial de Saúde) acerca de um herbicida “Glifosato”.

Segundo consta, todos os Portugueses (TODOS sem excepção) nos últimos anos andaram a consumir produtos que contêm vestígios desse herbicida glifosato usado na agricultura, que é CANCERÍGENO.

Qualquer um de nós, geralmente, costuma comprar em supermercados legumes, frutos, vegetais, produtos como batatas, cenouras, alface, couve, tomate, cereais, arroz, enfim muitos produtos! Também está presente nos produtos de higiene pessoal.
Óleos alimentares, farinhas de milho e maioneses também contêm glifosato.


Agora gostava de saber o que vão dizer os cépticos que sempre nos criticaram e acusaram de teóricos de conspiração quando dizemos que existe uma Cabala da Elite para controle populacional, esterilização da população e causar doenças.

Não é apenas o glifosato que causa cancros, existem muitos mais produtos nos alimentos, existe o aspartame substituto do açúcar em produtos light, existe o flúor na água, existem os produtos geneticamente modificados, existe a poluição atmosférica, existem centenas de venenos que entram no nosso organismo diariamente.

Considerada potencialmente cancerígena pela Agência Internacional de Investigação para o Cancro (IARC) da Organização Mundial de Saúde, esta substância é utilizada generalizadamente no mundo. Em Portugal é usada não só por agricultores e proprietários rurais, mas também por autarquias no espaço urbano para eliminar vegetação em passeios e jardins.

















Segundo a notícia da RTP1, a concentração de glifosato no organismo dos Portugueses é 20 vezes superior à percentagem de glifosato no corpo dos Suíços.

Não faltam apelos para que se proíba a sua comercialização. 
O mais recente deu entrada esta semana, na Assembleia da República, pela mão do Bloco de Esquerda. Os bloquistas recomendam ao Governo que vote contra a renovação da licença de glifosato na União Europeia e proíba o seu uso em Portugal, seguindo o princípio da precaução.

 “Com esta resolução queremos trabalhar a transição para técnicas alternativas, tendo em conta que esta substância é cancerígena e é usada de forma intensiva e desregulada”, sublinha o deputado Jorge Costa, lembrando que glifosato foi recentemente detectado em produtos alimentares e de higiene pessoal.

Também o bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, chama a atenção para a “toxicidade” e “as evidências dos riscos”. 

Aplaudindo a iniciativa do BE, o bastonário sublinha que “o glifosato devia ser suspenso não só em Portugal mas em todo o mundo tendo em conta o seu potencial cancerígeno”. 

Num artigo publicado na revista da Ordem, José Manuel Silva refere estudos que “demonstram a associação epidemiológica do glifosato e o aumento de patologias como a doença celíaca, 
infertilidade, malformações congénitas ou doença renal” e que “há uma relação entre a exposição a esta substância e o linfoma não Hodgkin detetado em agricultores”.

Existem alguns estudos controversos, quando ao efeito cancerígeno, porém são estudos financiados por 23 empresas agroquímicas, ou seja não são confiáveis.


O herbicida foi inventado nos anos 70, pela multinacional americana Monsanto. Hoje em dia, só em Portugal, há mais de 20 marcas que comercializam glifosato. É um herbicida total, não selectivo - o que quer dizer que mata qualquer tipo de planta. 

A RTP tem conhecimento da morada e dos métodos analíticos, mas a universidade exigiu anonimato. Está a preparar um estudo científico sobre o glifosato, uma investigação blindada às pressões externas que só deverá ser divulgada no verão.

fontes:
Rtp
Expresso

1 comentários:

  1. Uma máfia para o mundo despovoado governar, como disse, elites corruptas e covardes.

    ResponderEliminar