Ovnilogia

Sociedades secretas

Ocultismo na Indústria Musical

Segredos da Nasa

Paranormal

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Feliz Ano Novo

feliz ano Novo

Lizard Squad vs. Anonymous ?

tor lizard squad








Os Lizard Squad ( esquadrão lagarto) invadiram a Playstation Network e Xbox Live anunciam que vão atacar o serviço de navegação anónima TOR.

O Tor funciona assim: permite desviar o seu tráfego na web através de diversos computadores, conhecidos como Tor Relays, para que o outro lado da conexão não conseguir rastrear esse tráfego de volta até si. Alguns geralmente navegam pela deep web assim.

Mas se um grupo conseguir dominar a maior parte dos Tor Relays, ele poderia descobrir a origem do tráfego e talvez a identidade dos usuários. 

O Lizard Squad poderia rastrear os usuários do Tor caso se infiltrasse o suficiente na rede.

Eles justificam o ataque dizendo no Twitter que “só hackers, meliantes e pedófilos usam o Tor”. 

O Lizard Squad já domina mais de 3.000 relays, quase metade do total.















Porém o Tor Project  defendeu-se num comunicado, dizendo que a rede está funcionando normalmente, pois os novos relays correspondem apenas a 1% da capacidade da rede.

Isto parece uma tentativa comum de um ataque Sybil: os hackers criaram vários novos relays com o objectivo de conquistar uma grande fracção da rede. 
Mas mesmo que eles estejam rodando milhares de novos relays, os seus centros compõem actualmente menos de 1% da rede Tor em capacidade. Estamos trabalhando agora para remover estes relays da rede antes que se tornem uma ameaça, e não esperamos quaisquer problemas no anonimato ou desempenho com base no que vimos até agora.

O consultor de segurança Brian Krebs diz que “muitos dos associados ao Lizard Squad são aspirantes a hackers com habilidade zero e com um desejo de se associarem a algo interessante e divertido…

Com o ataque ao Tor, o Lizard Squad atraiu a ira dos famosos Anonymous:

lizard squad e anonymous










« Hey Mafia lagarto, não f**dam com a rede Tor. As pessoas utilizam esse serviço devido aos Governos Corruptos. Fiquem quietos! »

Resposta dos Lizard Squad :










« Oh não, são os Anonymous! A primeira pessoa que contar o seu grande Hack, receberá um adesivo »
( ironia )


Máquina de KamchatKa com 400 milhões de anos

maquina kamchatka















Máquina Fossilizada com Cerca de 400 Milhões de Anos Encontrada na Rússia

Rússia, na remota Península de Kamchatka, a 200 km de Tigil, Arqueólogos da Universidade de St. Petersburg descobriram um fóssil estranho. A autenticidade da descoberta foi certificada. 
De acordo com o arqueólogo Yuri Golubev a descoberta surpreendeu os cientistas pela sua própria natureza,  invulgar, capaz de mudar a história .

O mecanismo esta envolvido pela rocha, fossilizado junto com a mesma.


Não é a primeira vez que um artefacto mecânico, um objecto antigo, ou algo semelhante  é encontrado naquela região. 
Mas, surpreendentemente conservado, este artefacto  está incrustado na rocha (o que é muito compreensível, já que a península de Kamchatka abriga numerosos vulcões). 

Submetido a análise, o conjunto mostrou ser feito de peças de metal que parecem formar um mecanismo, uma engrenagem que pode ser de um tipo de relógio ou computador. 
O surpreendente é que todas as peças foram datados como tendo 400 milhões de anos!. 

Yury Gobulev comentou:

“Recebemos um telefonema do prefeito de Tigil. Ele  disse que as pessoas que estavam caminhando no local, encontraram esses vestígios na rocha. 
Fomos até ao local indicado e, inicialmente, não entendemos o que vimos. Havia centenas de cilindros dentados que pareciam ser partes de uma máquina. 

Eles estavam em perfeito estado de conservação, como se tivessem sido congelados dentro da rocha num curto período de tempo. Foi necessário o controle da área, porque logo os curiosos começaram a surgir em grande número. Outros cientistas, geólogos americanos, definiram a peça como um artefacto incrível e misterioso”.

“Ninguém podia  acreditar mesmo que há 400 milhões de anos atrás poderia ter existido na Terra um homem [ainda mais uma máquina]. Naquele tempo, as formas de Vida (teoricamente, pelas leis “criadas” pela nossa actual ciência) eram muito simples, mas a descoberta, sugere claramente a existência de seres inteligentes capazes de desenvolver tal tecnologia. 

Certamente, esses seres teriam  vindo de outros planetas. É possível que uma nave espacial possa ter sido danificada [ou que houve um acidente] e foi abandonada naquele local”.













A localização da Península de Kamchatka, na Rússia 

Verificou-se também que as partes tinham atingido o estado de fossilização num período de tempo historicamente e geologicamente curto. Possivelmente, a “máquina” caiu num pântano. 

Apesar das constatações, cautelosos, os cientistas preferem considerar que as evidências não são definitivas  ainda. 
E Gobulev pondera: 
“Recusar-se a existência de tecnologia [mesmo no passado, muito recuado] é um erro grave, porque a evolução não é linear.”

Novo director do SIS será Maçom ?

maçonaria











A Maçonaria espalha, como um polvo, os seus tentáculos por toda a parte.

adelio neiva maçon sis










No nosso antigo blog, no ano passado, mencionámos em alguns Posts que a Maçonaria está infiltrada em todos os sectores, seja nos Média, na Justiça e na polícia Secreta (S.I.S.).
Já no tempo em que José Sócrates era 1º Ministro ele queria criar uma espécie de Pide. (Link

Agora surge mais uma notícia que comprova isso mesmo, a Influência da Maçonaria, que como um polvo espalha os seus tentáculos de influência por toda a parte.

Adélio Neiva da Cruz, indigitado para dirigir o S.I.S ( Serviço de Informações e Segurança) , é Maçom, porém recusa admitir as ligações com a Maçonaria.
Segundo o Semanário SOL, o Adélio Neiva é Maçom da Loja Europa Jean Monnet, membro nº 576 registado no Grande Oriente Lusitano (G.O.L).

fontes: Diário de Notícias.
Semanário Sol

Correio da Manhã « Supremo Tribunal é Loja Maçónica »

Actualização: O Homem já assumiu o cargo. 

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Fantasma de Lady Jane

fantasma lady jane


















Entre as diversas aparições na torre de Londres encontra-se uma clássica que se tem manifestado desde o século XVI. Trata-se da aparição do fantasma de Lady Jane Grey, uma lutadora e transgressora que tentou provocar um aborto real para poder usurpar o trono e tornar-se a rainha de Inglaterra, o que não conseguiu e lhe custou a vida. 


Lady Jane foi encarcerada e torturada na torre Martin, a 12 de Fevereiro de 1554, foi decapitada na esplanada que se encontra diante da torre.

Este facto deve ter produzido uma impregnação trágica do lugar e desde então, produz-se esporadicamente a aparição do fantasma de Lady Grey, que tem sido visto por pessoas de índole e proveniência cultural diversas e figura na lista de fantasmas tradicionais.

Uma das aparições constatadas produziu-se em 1957, por ocasião do 403º. aniversário da sua execução. 



No interior da torre materializou-se uma massa branca, que gradualmente deu forma à imagem ideoplasmàtica da fantasmogénese de Lady Jane e permaneceu neste estado durante alguns minutos. Esta aparição foi vista separadamente por dois membros da guarda da torre, Terence Moore e Patrick Taylo.

Ovnis filmados pela I.S.S (Estação Espacial)

Ovnis filmados pela I.S.S (Estação Espacial Internacional )

Caso de Arlindo, em Baependi, anos 70

abdução arlindo em baependi















Um caso de grande importância na casuística ufológica brasileira ocorreu na cidade Mineira de Baependi (Brasil) em 16 de maio de 1979. Arlindo Gabriel dos Santos presenciou a descida de quatro objectos na sua propriedade, a Fazenda Sobrado. 

O primeiro tinha formato cilíndrico, 50 cm de largura e 1,5 metro de altura, estava apoiado sobre uma base escura e na sua parte superior havia uma esfera nas cores branca e vermelha. 

Como estava munido de uma máquina fotográfica, Santos conseguiu tirar duas fotos do objecto, mas logo depois a sonda desapareceu.

Do espaço veio outro aparelho de formato ovóide, alguns instantes depois. 
Tinha uma haste de 20 cm de comprimento, onde existia algo semelhante a uma espada. 
Ele pousou no solo e na sua parte superior girava uma espécie de hélice. 

Já o terceiro artefacto voador assemelhava-se a um barril com um metro de altura e listrado em vermelho e branco. 
Também tinha uma hélice em cima, além de uma roda e quatro pás. 

Santos tirava novas fotos de ambos quando, de repente, apareceu um quarto Ovni, bem maior que os outros. 

Este tinha cerca de 10 a 12 m de diâmetro e oito metros de altura, além de um inusitado espigão que o aumentava em mais cinco metros. O objecto possuía uma espécie de estabilizador e "fazia um ruído de motor de automóvel afogado", descreveu Arlindo Santos. 

No entanto, quando tentou fotografá-lo, uma luz intensa foi emitida pelo engenho. 
O rapaz tentou correr, mas não conseguiu sair do lugar.


Logo após este facto, surgiram dois seres que o agarraram. Eles vestiam roupas idênticas e usavam um capacete transparente. Eram pequenos, com cerca de 1,5 metro de altura e possuíam muita força. 
Tinham olhos grandes, cabelos curtos e em pé, nariz largo e achatado, sendo o rosto arredondado. 
A boca tinha lábios finos, orelhas pequenas e coladas à cabeça.

Santos gritou "larguem-me, pelo amor de Deus!", ao que uma das criaturas disse "em Deus somos todos irmãos". 

Diante disso, o fazendeiro foi levado até a nave, quando um dos seres perguntou-lhe se havia visto uma "zurca". 

Com a resposta negativa, o ET falou que esse aparelho havia se desregulado e descido à Terra por acidente.


Dentro do Ovni havia também uma mulher, que estava sem capacete. Os alienígenas mostraram a Arlindo o planeta Terra, o Sol e a Lua em algumas telas como as de TV, enquanto a estranha moça explicava o significado daquilo. 

No entanto, o fazendeiro, meio atordoado, pouco entendeu de tudo o que lhe foi mostrado. 
Em seguida, mandaram-no descer do aparelho e não olhar para trás, pois segundo eles a . Santos voltou para casa e permaneceu por uns 20 minutos sem fala.

Segundo a descrição de Arlindo, a nave que o capturou era toda branca por fora e tinha formato parecido com o de um ovo. Interiormente, o veículo era castanho, com um brilho inexplicável e o ambiente meio frio. 


"Havia um cheiro de poeira no ar", disse aos pesquisadores. 
Os tripulantes usavam roupa preta, luvas e um capacete com visor de material semelhante ao vidro, pareciam respirar por um tubo que saía da parte de trás da roupa. 

Após quase duas horas dentro da nave, Arlindo foi deixado no mesmo lugar de onde havia saído. 
Sentiu um pouco de náusea e tontura, mas caminhou normalmente até à sua casa.


Conseguiu revelar quatro fotografias que tirou, porém, a máquina fotográfica tinha sofrido uma grave avaria: a chapa interna de protecção do filme estava queimada e coberta de fuligem. 
Estava inutilizada devido ao contacto com a radiação da nave.

abdução arlindo santos















O embornal (espécie de saco de algodão) que o produtor rural carregava consigo na ocasião da abdução foi encontrado vazio, cerca de um mês depois, coberto de inscrições e desenhos que de imediato não foram decifrados. 

Muitos dos símbolos gravados no saco já estavam apagados ou borrados por acção do tempo.
Contudo, vários sinais ainda se encontravam em condições de ser analisados. 


Na época, o caso foi pesquisado pelos integrantes do extinto Centro Varginhense de Pesquisas Parapsicológicas (Cevappa), que depois teve o seu nome mudado para Associação Ufológica de Investigação de Campo (AUIC). Entre os pesquisadores estava o advogado Ubirajara F. Rodrigues, que deu notoriedade à história e naquele tempo não tinha dúvidas sobre a sua autenticidade.


Juntamente com a ufóloga Irene Granchi [Matriarca da Ufologia Nacional, falecida em 2010 ], vários estudos sobre o caso foram realizados, tornando-se conhecido mundialmente. Com uma análise cautelosa, foi possível observar as semelhanças entre os sinais do embornal e os caracteres hebraicos  descobertos no Mar Morto em 1949 . 


Instituições como a Universidade Hebraica de Jerusalém, por exemplo, tomaram conhecimento da existência do embornal e solicitaram cópias das inscrições feitas pelos supostos extraterrestres. 
Porém, tais instituições calaram-se diante do facto: seria muito difícil aceitar a ligação do "sagrado" hebraico antigo, ensinado a Adão por Deus, com uma suposta origem linguística de raças alienígenas.

O texto inscrito pelos ETs no embornal está dividido em 10 linhas, sendo que as cinco últimas estão mais borradas. 

Dos 146 sinais que compõem o texto, foi possível reconstituir 110, ou seja, 75% do total. 

No centro das inscrições pode identificar-se quatro desenhos: o primeiro parece-se com um chapéu, o segundo é um travessão diagonal, o terceiro é um rectângulo e, o quarto, um hexágono. 
Uma vez reconstituídos os sinais, tornou-se mais fácil analisar o seu real significado, pois guardam uma semelhança muito grande com os caracteres fenícios , aramaicos, hebraicos e também com a escrita egípcia.

Na parte fonética, encontramos muita relação com o sânscrito . 

Com isso, pôde concluir-se que a linguagem do embornal é eclética, possuindo as características consonantais do hebraico, o estilo cursivo da escrita egípcia ( hierático e demótico) e a riqueza fonética do sânscrito.

No que concerne aos desenhos contidos no embornal, chegou-se à conclusão de que os dois primeiros - o chapéu e o travessão em diagonal - assemelham-se a representações de naves. 
Segundo a descrição de muitas testemunhas de ovnis, o travessão poderia significar uma nave-mãe em forma de charuto. 

Quanto ao terceiro desenho, sob uma análise do ponto de vista cabalístico , representa a autoridade e a confiança em valores estabelecidos.

Talvez o seu formato rectangular queira demonstrar que as raças desenvolvidas do espaço tenham autoridade. 

A quarta e última figura é um hexágono, símbolo da relação do homem com o cosmos e da fraternidade universal. 

As últimas quatro palavras do texto não puderam ser identificadas, pois os sinais da 10ª linha estão quase totalmente apagados. Das 66 palavras do texto, apenas 18 não foram traduzidas. 


Desta forma, foi possível captar o sentido geral do significado do texto. Segundo a interpretação dos estudiosos, a "erva nova" da qual o texto se refere é a consciência do homem.





































A mensagem faz distinção entre consciência ordinária (objectiva, do dia a dia) e a consciência natural, inerente à essência humana. O texto sugere ainda que a consciência objectiva deva ser melhorada no homem, enquanto que a natural é a "síntese da existência" e, portanto, não precisa sofrer mudanças. 


A expressão "Cada Broto" da "erva nova" referem-se aos seres humanos que, em conjunto, formam uma grande "árvore de ouro puro", capaz de dissolver o mal. Eis uma clara alusão à àrvore da vida  cabalística.

Fazendo uma análise do conjunto estético, chega-se à conclusão de que a mensagem contida nas figuras do embornal, em linhas gerais, significa o seguinte: 

"As raças desenvolvidas do espaço têm autoridade para estabelecer as bases da fraternidade universal, pois a sua autoridade está calcada na fraternidade e não no domínio". 

Veja a apresentação do embornal em hebraico (quadro 1 - superior) e a sua forma original Senzar, possivelmente alienígena (quadro 2), e sua tradução literal para o português (quadro 1 - inferior).

Para facilitar a compreensão dos leitores, apresentamos também uma tradução literária do texto, que é a seguinte: 

"Que aquele que oprime a erva nova a humedeça, faça-a nascer, para que seja concluída e domine a matéria para que a sua palavra realize o destino da beleza que a conserva perfeita. Pois aquele que a protege da palavra inútil e impura tem um escudo que reforça o seu jardim.
 Caso contrário, sobre o que recairá a ruína?


Sobre a força natural da vida. Agora é o momento para a evolução da sua forma e da sua consciência ordinária, pois consciência natural é como o ouro puro, como uma chapa superior, como a síntese da existência e do conhecimento. 

Defeito violento é a força da consciência objectiva, que é um movimento evolutivo, sem nenhum amor, usada apenas para conservar o domínio. 

Cada broto desta erva possui um sublime poder. 

A erva é como uma árvore de ouro puro, capaz da dissolução do mal, mesmo que no princípio seja apenas uma insignificante semente."

Continuando, a mensagem no embornal de Arlindo Gabriel, segundo nossas análises, revelam fortes fatos para a humanidade. "Defeito violento é a força da consciência objetiva, que é um movimento evolutivo, sem nenhum amor, usada apenas para conservar o domínio. 



Assim se encerra o texto que, sob forma de sinais, foi encontrado no saco de lanches de um humilde produtor rural do interior de Minas Gerais. Talvez, esse simples objecto seja mais uma peça do quebra-cabeças ufológico, que nos ajudará a decifrar o Fenómeno Ovni.


Fonte: revista Ufo


O caso de Betty Andreasson

abdução betty andreasson



















A 25 de Janeiro de 1967 dona de casa Betty Andreasson e a sua família ficaram surpresos quando a electricidade acabou, e uma luz vermelha brilhante brilhou através da janela da cozinha.

Quando a família olhou para fora, viram cinco criaturas “descendo” para a sua casa. 

As criaturas, em seguida, surgiram em linha recta, passando através da porta de madeira maciça. Imediatamente a família Andreasson ficou numa espécie de transe.

Os aliens foram descritos por Betty e seu pai como sendo baixinhos e sem características humanas habituais, embora um deles era claramente o líder.

Eles comunicavam-se apenas por telepatia, e Betty sentia-se calma e indiferente, mesmo quando viu que todos ali estavam num estado de animação suspensa.

Betty foi, então, levada a bordo de uma nave espacial, onde ela recebeu exames invasivos .

Cerca de quatro horas depois, Betty foi devolvida à sua família e os alienígenas libertaram todos do transe. Todos eles tiveram a memória recente apagada.

Oito anos depois, ainda atormentado pelas vagas lembranças da sua experiência que começaram a aflorar, Betty passou por doze meses de extensas avaliações psiquiátricas e uma série de testes psicológicos e médicos, incluindo hipnose regressiva e polígrafo.

Depois tudo foi dito e feito, foi determinado que Betty estava sã e acreditava mesmo na sua experiência de abdução alienígena.

O seu caso é um dos mais famosos casos de abdução Ovni até o momento.
Anos depois, a sua filha Becky Andreasson também foi abduzida, diversas vezes, tornando o caso ainda mais estranho.

Em 19 de setembro de 1961, Betty e Barney Hill, de New Hampshire estavam voltando para casa de uma viagem para o Canadá quando avistaram uma “nave em forma de charuto e bem iluminada” no céu, e que parecia estar vindo na sua direcção .

Impressionados, os Hills pararam o carro afim de olhar para o objecto voador através de binóculos. Eles alegaram ter conseguido ver várias figuras nas janelas da nave espacial, e que à primeira vista, não pareceram ser humanos.

Com medo, os Hills correram de volta para o carro e continuaram dirigindo. 

Duas horas depois, quando deram por si, eles estavam confusos, levemente sonolentos, e já se encontravam a 35 milhas de distância de onde eles lembravam estar dirigindo. os dois não tinham memória das últimas duas horas das suas vidas.

O vestido de Betty estava rasgado, os sapatos de Barney estavam seriamente arranhados, e os relógios do casal tinham parado ao mesmo tempo, na mesma hora.

A experiência incomodou os Hills por vários anos, até que, finalmente, eles dois resolveram procurar ajuda de um psicoterapeuta.

Foi durante as suas sessões de hipnose separados que as suas memórias do abdução afloraram. Eles relatavam ter estado a bordo de uma nave espacial, onde passaram por exames físicos levados a cabo por por alienígenas “baixinhos e cinzentos”.

Hoje, existe inclusive um marcador histórico na rodovia onde os Hills tiveram a experiência sobrenatural.

betty andreasson ovnis










O caso do casal Hill é um dos mais pesquisados e investigados na Ovnilogia.
Um detalhe interessante, é que num determinado momento, Betty percebendo que os seus captores eram de outro planeta, questionou de que planeta eles eram.

O alien perguntou a ela o que sabia do universo, e ela explicou que não sabia praticamente nada.

O alien puxou um mapa espacial, onde haviam marcas espalhadas, algumas maiores que outras e linhas que os ligavam. Algumas dessas linhas eram mais finas que outras.  
Betty olhou bem no mapa mostrado pelo alien e perguntou qual era o planeta deles ali.

O alien respondeu com uma pergunta: “Você pode achar o seu planeta aí?”


Ela sorriu e disse que não. Diante disso, o  alien respondeu de forma rude, mas objectiva: ” Se você não consegue sequer identificar o seu planeta, não faz sentido eu dizer de que planeta eu venho!” – E guardou o mapa.

Sob hipnose, Betty conseguiu reproduzir o mapa que havia sido mostrado .:

mapa zeta reticuli















Anos depois, uma astrónoma amadora chamada Marjorie Fish, que estava lendo o caso, interessou-se e pesquisou mais sobre o tal mapa. 

Ela conseguiu encontrar o desenho original de Betty sob hipnose e interpretou as linhas pontilhadas como sendo um indicador tridimensional. 
O mapa do alien era uma projecção bidimensional de um mapa 3d. Assim,  e usando os conhecimentos disponíveis na época começou a tentar encaixar aquele padrão nas estrelas conhecidas.
















O problema é que o mapa não encaixava. Anos depois, diante de novos estudos do espaço um novo mapa celeste foi gerada e acredite se puder, o mapa que o alien havia mostrado a ela finalmente encaixou!
















Após a conclusão do estudo desse mapa estelar, vários astrónomos verificaram o trabalho de Marjorie Fish e surpreenderam-se pela precisão do mesmo. O Dr. David Sauders, do Planetártio Adler, o Dr. George Mitchell, do departamento de astronomia da Universidade Estadual de Ohio, os cientistas J. A. Hynek e Terence Dickinson do Strassenbug Planetarium são apenas alguns dos nomes de astrónomos que comentaram muito positivamente o trabalho de Fish. Em dezembro de 1974, Terence Dickinson publicou um artigo intitulado “The Zeta Reticuli Incident”, na conceituada revista científica Astronomy.


O caso Hill começou a tornar-se ainda mais intrigante, porque Betty Hill era uma mulher cujo todo conhecimento de astronomia que tinha era o da escola, num tempo que lhe diziam que o sol era o centro do universo.

Abdução em Allagash Waterway

allagash waterway abdução










abdução allagash waterway














Um dos mais famosos casos de abdução alienígena é o Allagash Waterway Abduction, que teve lugar em Maine em 1976.

Os gémeos Jack e Jim Weiner e seus amigos Chuck Rak e Charlie Foltz eram todos artistas. Durante uma viagem, eles decidiram fazer uma pequena noite de pesca, de modo que eles construíram um grande acampamento nas margens do Eagle Lake.

Eles estavam nas suas canoas no lago quando notaram um objecto muito brilhante no céu. 
O objecto começou a alterar as cores diante dos seus olhos, e um dos membros do grupo usou uma lanterna para sinalizar na direcção do Ovni.

Logo, o Ovni começou mover-se em direcção a eles. 
Assustados, todos eles começaram a remar freneticamente para a costa, mas o Ovni moveu-se muito rápido e desceu sobre eles, libertando um poderoso feixe de luz acima das canoas.

ovni allagash waterway












A próxima coisa que eles se lembram, é que estavam sentados na praia, e a grande fogueira que todos juravam que tinham acabado de criar, só restava uma pilha de cinzas frias.
Os homens voltaram para casa, mas logo todos os quatro foram assombrado por pesadelos em que se lembrava de ser tragados para dentro da enorme nave espacial.

Sob hipnose regressiva, foi determinado que todos os quatro homens tinham sido raptados e submetidos a testes humilhantes e invasivos, incluindo a extracção de sémen e outros fluidos corporais. 
Todos os quatro homens do grupo passaram por sessões de hipnose separadas, mas as suas histórias completavam-se, e “batiam” em todos os detalhes.

Uma vez que eles também eram artistas, foram capazes de desenhar surpreendentemente precisas imagens retratando a sala de exame, os extraterrestres e os instrumentos que usaram neles.

Os jovens também aceitaram passaram por testes, como o polígrafo, que verificou que todos eles estavam dizendo a verdade. Cépticos dizem que um espião pode ser treinado para enganar o polígrafo, mas essa possibilidade que já é remota, reduz-se dramaticamente quando são várias pessoas passando pelo mesmo teste.

Em nenhum deles foi identificado o menor sinal de mentira. 

Seja o que for que esses homens tenham vivido, eles realmente acreditam no que disseram às autoridades.














segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Peter Khoury - abdução e adn extraterrestre

abdução peter khoury












Este foi um dos casos mais extraordinários de abdução extraterrestre, talvez o termo correcto não seja "abdução" pois Peter não foi levado para uma nave, ele teve um encontro com duas extraterrestres.

Embora o caso possa parecer uma história fantasiosa, existem provas reais, ADN recolhido de fios de cabelo, além disso Peter khoury passou nos testes do polígrafo.

O contacto recente entre um australiano e supostos seres extraterrestres com aparência humana permitiu a realização do que parece ser o primeiro teste de ADN com material biológico extraterrestre. 

Os intrigantes resultados demonstram a necessidade de uma pesquisa científica mais intensa sobre a possível presença de extraterrestres no Ocidente.

O relato completo deste surpreendente caso, feito pelo pesquisador australiano Bill Chalker, sendo originalmente publicado durante a primavera de 1999 no “International UFO Repórter”, periódico quadrimensal do Centro de Pesquisa de UFOs J. Allen Hynek (CUFOS), em Chicago.

Peter Khoury, a vítima do suposto caso de abdução, nasceu no Líbano em 1964 e mudou-se para a Austrália em 1973. Ele e a sua esposa tiveram a sua primeira experiência com ovnis em Fevereiro de 1988:

Um simples avistamento de luzes  movimentando-se de modo incomum. 
Mas, em Julho daquele mesmo ano, Peter teve um contacto profundamente perturbador que, segundo ele, mudou a sua vida. Bill Chalker explica que os alienígenas são frequentemente descritos pelas testemunhas como seres totalmente sem pêlos.

Mas uma das espécies de extraterrestres comummente chamada de “Nórdica”, possui características perfeitamente humanas, incluindo o cabelo (quase sempre) loiro. 

Um grande número de casos bastante conhecidos de abdução envolve estes seres de aparência humana e com cabelos, entre eles o de 1975 relatado por Travis Walton no estado do Arizona, e o de 1957, acontecido no Brasil e relatado por António Villas Boas.


O caso de Peter Khoury tem alguma semelhança com o de Villas Boas, que afirmou ter sido “forçado a manter relações sexuais com uma mulher humanóide à bordo de um ovni pousado próximo à sua casa”.
Segundo Khoury, este encontro de 23 de Julho 1992 começou às 7h30 quando ele estava deitado na sua cama. Mas antes disso, naquela mesma manhã, levou a sua esposa para o trabalho. 
Quando voltou para casa, decidiu  deitar-se um pouco, entretanto, de repente acordou sobressaltado sentando-se na cama, encontrou “duas mulheres à sua frente, as duas inteiramente nuas”. 


“Elas pareciam humanas em todos os aspectos. Uma delas tinha aparência asiática com olhos escuros, cabelo preto e liso caído na altura dos ombros. A outra parecia ‘talvez como uma escandinava', com olhos claros e cabelo loiro e comprido que ia até o meio das costas”. Khoury percebeu que “estas mulheres não eram humanas.

As suas faces eram de alguma forma estranhas. Não sem ser atractivas, mas com as formas eram esculpidas demais”.
 “A loira parecia ser quem dava as ordens”, e Khoury percebeu que ela se comunicava telepaticamente com a mulher de cabelos escuros.
 “Havia algo duro, quase ausente, na expressão destas mulheres” observou ele. 

Segundo Khoury, a loira o pegou pela nuca, puxando-o contra o peito dela. Tentando resistir, a suposta extraterrestre  puxou-o com mais força, e ele reagiu novamente, tentando  desvencilhar-se. 

“Ela era muito forte”, disse ele a Chalker. “Puxou-me com determinação e a minha boca foi parar em cima do mamilo dela. 
Eu mordi”. Khoury disse que não sabe porque mordeu a mulher, mas mesmo tendo arrancado um pedaço do seu mamilo com os dentes, ela não gritou.
 Neste momento a extraterrestre loira  voltou-se para a outra, com aparência asiática, e esta por sua vez  voltou-se directamente para ele exibindo a mesma expressão de choque “contemplativo” ou confusão que a loira estava. 

Involuntariamente, reagindo à expressão das duas, ele engoliu o pequeno fragmento do mamilo que ainda estava em sua boca e este ficou preso em sua garganta. Começando a tossir fortemente.
 Foi quando, de repente, “as duas mulheres simplesmente desapareceram”, diz Khoury.

Quando Khoury percebeu que as mulheres tinham realmente ido embora, ele tentou limpar a sua garganta bebendo água. Não funcionou. 
Disse que sentiu então “uma vontade enorme de ir ao banheiro”.

Percebendo que o “seu pénis estava muito dolorido”, resolveu “abaixar o prepúcio e descobriu dois finos fios de cabelo loiro apertados em volta dele”.

 Quando conseguiu retirar os fios, colocou-os imediatamente num saco plástico selável.

 “Eu fiz isso porque sabia que não tinha jeito, mas nenhum jeito mesmo, de um cabelo daquele tamanho e enrolado daquele jeito ter ido parar lá. Pensando naquelas mulheres, naquela coisa na minha garganta, nos fios de cabelo, tive certeza que algo muito bizarro tinha acontecido comigo”.

 Khoury resolveu guardar a amostra de cabelo imaginando que ela poderia ser útil para tentar esclarecer algo sobre a sua estranha experiência. Mas a “coisa” na garganta de Khoury continuou lá por três dias. Ele tossia constantemente. 

Tentou limpar com água, pão ou qualquer outro recurso que pudesse imaginar, mas nada resolveu. No terceiro dia, a sensação incómoda simplesmente desapareceu.



O exame de uma amostra de ADN extraterrestre

peter khoury adn extraterrestre


































Os fios de cabelo, guardados desde o dia do encontro, tornaram-se objecto do primeiro teste aberto de ADN feito a partir de uma evidência de abdução. 
Os cabelos loiros eram extremamente finos e muito claros. 

Foi determinado que não tinham sido quimicamente tratados, porque se isto tivesse acontecido pouco ou nenhum ADN mitocondrial poderia ser recuperado. 
No entanto, usando o processo PCR (reacção de cadeia de polimerase), uma amostra de boa qualidade foi obtida. Para comparação, também foram tiradas amostras do cabelo de Peter Khoury e da sua esposa Vivian.

Depois de fazer vários testes com as amostras de ADN recolhidas, os cientistas do Grupo de Evidências Físicas Anormais chegaram a uma estarrecedora conclusão:


O fino fio de cabelo loiro, que parecia ter vindo de uma mulher aparentemente de pele clara e caucasiana, não poderia pertencer a um ser humano normal daquele tipo racial. 
Muito pelo contrário, embora aparentemente “humano”, os fios de cabelo mostravam cinco padrões distintos de adn que são características de um raro subgrupo racial de chineses mongóis.

Sem a pequena amostra de cabelo, a história de Peter Khoury seria apenas mais uma numa interminável sequência de supostas abduções forcadas e sem provas.

 Mas os fios mudam tudo. “A evidência inegavelmente existe”, diz Bill Chalker, “e os testes forenses demonstram que é anómala! Ao que parece nenhuma pessoa loira com uma combinação exacta de adn semelhante à amostra recolhida pode ser encontrada na cidade de Sydney, no continente da Austrália e nem, provavelmente, em qualquer outro lugar do mundo!”

Peter Khoury passou no teste do polígrafo realizado por Gavin Wilson
















fontes: revista Ufo